Le Portugal, Un Succès Dans Le Combat Contre La Pandemie De Covid-19?

À ce jour, le Portugal est abondamment présenté comme un succès dans le combat contre la pandémie de Covid-19. Je ne suis pas là pour contester cette idée mais plutôt pour expliquer, d’une part, ce qui a été fait et, d’autre part, quel est notre sentiment par rapport...

Finanças Públicas e Política Fiscal em tempos de COVID-19

O IDEFF e a Associação Fiscal Portuguesa organizam o webinar Finanças Públicas e Política Fiscal em tempos de COVID-19, hoje dia 25 de maio, entre as 17h e as 19h. A sessão será transmitida online em https://zoom.us/j/96706406016 Moderador: Sérgio Aníbal Oradores:...

Alerta EPF – Doing Business – Brasil

Foi recentemente aprovada pelo Congresso Nacional Brasileiro uma alteração legislativa que vem excluir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre as mercadorias importadas.
Terça-feira, 15 Outubro 2013

Foi recentemente aprovada pelo Congresso Nacional Brasileiro uma alteração legislativa que vem excluir o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) da base de cálculo do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre as mercadorias importadas.

A Lei n.º 12.865/2013, de 9 de outubro, vem alterar a redação do n.º 1 do artigo 7.º da Lei n.º 10.865/2004, estabelecendo que a base de cálculo das contribuições para o PIS e Cofins – Importação passa a ser o valor aduaneiro da mercadoria, permitindo, assim, uma redução nos custos de importação que impendem sobre as empresas importadoras Brasileiras.

A discussão relativa à inclusão do ICMS na base de cálculo de PIS/Cofins não é nova, tendo em Março deste ano o plenário do Supremo Tribunal Federal declarado inconstitucionalidade da fórmula de cálculo de PIS/Cofins até agora utilizada pela Receita Federal Brasileira.

Alegando uma situação dupla tributação e violação do artigo 149.º da Constituição Federal Brasileira (que estabelece que as contribuições devem incidir sobre o valor aduaneiro), algumas empresas do sector haviam já questionado junto dos tribunais a legalidade desta forma de cálculo do PIS/Cofins.

Desde a revisão constitucional de 2003, estes encargos de cariz social passaram também a incidir sobre a importação de produtos estrangeiros, só que, de acordo com o disposto na Lei n.º 10.865/2004 e, contrariando o comando constitucional, ao invés de serem calculados sobre o valor aduaneiro incluíam o ICMS e o valor das próprias contribuições no cálculo do imposto a pagar ao Estado.

Os especialistas acreditam que a nova legislação permitirá uma redução entre 3% e 5% no custo total das importações.

Os valores a serem pagos relativamente à contribuição para o PIS e Cofins -Importação devem ser obtidos mediante a aplicação da fórmula constante da Instrução Normatia 1.401 aprovada no passado dia 11 de outubro.

Estas alterações abrem caminho para a hipotética exclusão do ICMS da base cálculo do PIS e da Cofins incidentes sobre todos os bens e serviços saturados no mercado interno brasileiro.

A Eduardo Paz Ferreira & Associados está, como sempre, ao dispor para prestar todo e qualquer esclarecimento adicional.